Ovo – Aliado ou Vilão

Ouvia-se dizer, até algum tempo, que o ovo era considerado um vilão e sua recomendação de ingestão limitada. Principalmente a gema que diziam conter muito colesterol.

No entanto, por estudos aprofundados demostraram relação inversa, que este alimento pode ser consumido diariamente sem afetar a saúde e vamos enfatizar os benefícios que podem trazer, entre eles memória, capacidade cognitiva e formação de novos neurônios.

Estudos científicos comprovam que as doenças cardiovasculares estão mais relacionadas com a sensibilidade hereditária e maus hábitos alimentares, como a ingestão de gorduras saturadas, principalmente as trans, do que com os níveis de colesterol dos ovos.

ovoO ovo é uma fonte de proteína animal. Foi considerado alimento referência, comparável ao leite materno.

Composição: 

A clara – é constituída da proteína albumina – relacionada a ganho de massa muscular, regeneração da célula e manutenção da imunidade. Muito consumida pelos atletas de musculação.

A gema – é rica em luteína, zeaxantina e carotenoides que dão cor à gema, substâncias fundamentais para a saúde dos olhos protegendo-os da luz solar evitando a degeneração macular relacionada à idade.

Possui proteína em sua composição e vitaminas do complexo B como tiamina (B1), riboflavina (B2), piridoxina (B6), ácido fólico, vitamina B12, biotina e o mais expressivo deste complexo: a colina por ser de grande importância durante a gravidez para a formação do tecido cerebral do feto e também facilitando a comunicação entre os neurônios, aumentando a capacidade de memorizar, sendo importante para pacientes com Parkinson e Alzheimer.

É um dos poucos alimentos que possui vitamina D (vitamina lipossolúvel), responsável pela deposição do cálcio ósseo e também importante na prevenção de doenças cardiovasculares e diabetes. Possui ainda vitaminas A, E e K.

Possui na sua composição vários minerais como cálcio, fósforo, ferro, magnésio, manganês, zinco, cobre e o selênio – encontrado no ovo e que atende a 50% das necessidades do adulto. ovo

O ovo provoca doenças?

O ovo é um alimento com uma composição extraordinária e não provoca qualquer tipo de doença. Mas, caso não seja manejado de forma adequada, pode ser um meio de cultura para o crescimento de bactérias, como a salmonela. É esse agente, e não o ovo, que pode provocar problemas alimentares no consumidor. Precisamos entender que o problema da contaminação do ovo, principalmente por salmonela, é devido à exposição desse ovo em ambientes mal higienizados e a temperaturas elevadas. O ovo quando produzido, embalado e armazenado em condições de boa higiene, e conservado sob refrigeração no supermercado e nos domicílios, apresenta risco praticamente nulo de contaminação.

Nosso Aliado:

O consumo de ovos no café da manhã provoca maior saciedade reduzindo o consumo de alimentos calóricos nas outras refeições do dia. Os ovos também entram como opção mais saudável do que embutidos, queijos amarelos e margarina/manteiga;

ovoConsumir ovos com alimentos integrais e vegetais como: frutas, legumes e verduras, favorecem a perda de peso, além de proporcionar uma dieta equilibrada;

Os ovos podem ser consumidos cozidos, na forma de omelete, ovo mexido, patês, etc. Evite frituras e preparações gordurosas e com muito açúcar que os inclua;

Uma excelente opção para quem quer evitar carboidratos antes de dormir é comer ovos cozidos com uma fatia de queijo ou um copo de iogurte ou fatias de peito de peru;

Para vegetarianos: inclua ovos em sua dieta diariamente no lugar das carnes, eles são os substitutos perfeitos das proteínas alimentares.

Depois de ler esse artigo, temos certeza que suas dúvidas em relação ao ovo acabaram!

Por isso, se quiser consumir ovos diariamente, fique à vontade: um grande aliado da saúde e qualidade de vida!

 

Referências:

Ovo Amigo ou Inimigo? – Nutricionista Esportiva Giovana Guido

Instituto Ovos Brasil – Entidade que tem como objetivo promover o produto “ovo” como um alimento saudável.

Mitos e verdades sobre os ovos – CIAS (“Central de Inteligência de Aves e Suínos”, projeto desenvolvido pela Embrapa)

Deixe seu comentário