A Nova Pirâmide Alimentar

Entenda a Nova Pirâmide Alimentar 

A pirâmide alimentar é um guia com noção de proporcionalidade entre os grupos alimentares e quantidade dos alimentos que devem ser consumidos ao longo do dia. Ela foi desenvolvida para orientar as pessoas a fazer escolhas alimentares saudáveis incentivando uma alimentação rica em nutrientes funcionais (com funções benéficas à saúde), além de estimular uma postura fisicamente ativa todos os dias, reforçando a importância do exercício físico regular como componente de um contexto de nutrição saudável.

Em 2013, a pirâmide foi adaptada e passou a contar com novos alimentos, essa inserção foi feita para melhor adaptação à dieta e aos hábitos culturais dos brasileiros. A nova pirâmide também conta com a redução do valor energético diário para 2.000 Kcal, fracionamento da dieta em seis porções diárias e o incentivo à prática de atividades físicas, explica a nutricionista Maria Fernanda Elias. (Nutrição Prática & Saudável)

O grupo dos carboidratos inclui pães, cereais, farinhas, biscoitos integrais, arroz e massas. São os chamados alimentos energéticos, ricos em carboidratos complexos, cuja absorção é mais lenta que a do açúcar simples. A nova pirâmide reforça a importância dos cereais integrais, ricos em fibras, deixando pães, cereais, arroz e massas integrais na base e pão branco, arroz branco, batatas, massas comuns e farinhas refinadas no ápice, emparelhados com os doces que devem ser consumidos com moderação.
Clicar para aumentar

Os vegetais (verduras e legumes) e as frutas são alimentos reguladores, sendo fontes de vitaminas, minerais e fibras e seu consumo diário é importante para o bom funcionamento do organismo. Esses alimentos possuem, em sua composição, os fitoesteróis e antioxidantes, que ajudam a reduzir o colesterol LDL (ruim) e neutralizam os radicais livres diminuindo o envelhecimento das células.

Os alimentos construtores, ricos em proteínas, são requeridos pelo organismo em menor proporção, apesar de serem muito importantes.

As proteínas podem ser animais (carnes, ovos, peixes e aves) e vegetais (feijões, soja, leguminosas em geral) e ainda proteínas animais ricas em cálcio (leite, queijo, iogurte).

Os desmembramentos

Na nova pirâmide houve desmembramento de mais um setor dos alimentos construtores. As carnes brancas de frango e peixe juntaram-se aos ovos como incentivo a escolha, na parte mais baixa da pirâmide. As carnes vermelhas foram para o topo indicando consumo moderado juntamente com a manteiga, por serem alimentos ricos em gorduras saturadas.

Óleos vegetais de boa qualidade como azeite de oliva, óleo de canola, milho, girassol e soja ganharam espaço na base da pirâmide por serem ricos em gorduras poli saturadas, monoinsaturadas e os chamados ômegas que ajudam o sistema cardiovascular e o controle dos lipídeos sanguíneos (colesterol).

Em outras palavras, a nova pirâmide salienta que nem todos os carboidratos são bons e nem todas as gorduras são más.

Duas outras grandes novidades da nova pirâmide alimentar

– Um degrau exclusivo para as oleaginosas e leguminosas (castanhas, nozes, amêndoas, feijões e soja), que são fontes de proteínas vegetais, gorduras insaturadas (ômega 3), selênio, vitaminas antioxidantes e fibras;

– Uma dose de vinho tinto (100 ml).

O consumo moderado de etanol produz efeito cardioprotetor, principalmente pelo aumento nos níveis de HDL (bom colesterol). O vinho tinto, além de conter etanol, é rico em polifenóis ou compostos fenólicos, que estão presentes nas cascas e nas sementes das uvas vermelhas e comprovadamente possuem atividade antioxidante.

Atenção: o benefício só é visto com o consumo leve do álcool! A ingestão excessiva, acima destas quantidades recomendadas, pode trazer sérios prejuízos à saúde.

Autores – Rodrigo Nunes Lamounier  e Débora Bohnen Guimarães (CDBH-Manual de Contagem de Carboidratos)

Deixe seu comentário